Ausência Camuflada

 Ausência Camuflada

O toque era só um toque.
Sem poesia.
Sem pele arrepiada.
Uma ausência camuflada,
Uma presença vazia…

Me deliciei em poças
enquanto o amor é um rio que corre em duas direções.
Desafia a física, o físico.
Brinca com a razão,
Explode um coração.

E procuro perdido pelo beijo
que dura uma semana,
que arde no peito
quando à distância,
Que fere, que cura,
que leva à loucura,
mas também à esperança.

E nessa busca disfarçada,
Eu perco o freio,
Subo a calçada,
Bato em postes,
Vejo fumaça…
Mas cadê a chama?
Nada explode.
Nada derrama.
E fico com sede
quando o sol se levanta.

Sobre o autor: Gael Gomes

Compositor e Músico; Graduando em Comunicação Social na UFPE – Campus Agreste
Instagram: @gael_gvn

Utopia

Related post

6 Comments

  • Uau que lindeza de composição e tanta alma na poesia que se parece com o fim de um amor que já ardeu.

  • Um poema lindo que fala no fundo do coração, cada palavra toca não tem como não se apaixonar pela poesia abraços.

  • Oiii,
    Sinceramente, achei um texto bem reflexivo e inspirador, ficou um tom mais sentimental

  • Poesia, pura poesia, parabéns, um verdadeiro poema de amor,.

  • Oi,tudo bem ?

    Achei a Poesia simples, nos faz refletir e de entendimento claro…Gostei bastante e deixo o pedido de mais posts assim.

    • Oi, Jacque! Pode deixar que seu pedido será atendido <3

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese